Pular para as informações do produto
  • Um dos terreiros de candomblé mais antigos do Brasil. Terreiro do Bogum - comunidade jeje-mahi
  • Memórias de uma comunidade Jeje-Mahi na Bahia
1 de 4

Terreiro do Bogum

Preço normal R$ 50,00
Preço normal R$ 50,00 Preço promocional R$ 50,00
Festa do Livro Indisponível
Frete calculado no checkout.

Características

ISBN:
ISBN: 978-85-533000-13<br>
Idioma: Português<br>
Formato: 15 x 21 cm<br>
Nº de páginas: 112<br>
Encadernação: Costurado; Capa cartonada<br>
Ano de publicação: 2018

A excepcionalidade e o interesse do livro Terreiro do Bogum - Memórias de uma comunidade Jeje-Mahi na Bahia, de Everaldo Conceição Duarte, deve-se ao fato de ele tratar da memória do Bogum, um Terreiro fundado por africanas e africanos no século XIX, que, junto à Casa irmã da Roça do Ventura, em Cachoeira, se erige hoje em matriz ou modelo ritual do Candomblé de nação Jeje-Mahi na Bahia e no Brasil. Assim, este livro nasce como uma contribuição preciosa ao patrimônio da cultura afrodescendente, porque se trata da história do Candomblé Jeje contada “de dentro”, pela voz de um dos seus filhos, membro de uma das linhagens mais ilustres dessa tradição religiosa. Enquanto testemunho de experiência vivida, seu valor histórico é inapelável, mas ele também traz a carga afetiva da memória pessoal, que evoca um passado coletivo de sofrimento e resistência, de adversidade, luta e conquista cotidiana, de solidariedade e dignidade. Nesse sentido, a palavra clara do Agbagigan, ao trazer à luz fragmentos da sua recordação subjetiva, nos regala com visões reveladoras do passado do povo negro brasileiro como um todo. Uma dádiva singular que o leitor que enveredar pelas suas páginas vai celebrar.

Luis Nicolau Parés
Everaldo Conceição Duarte

Everaldo Conceição Duarte

Nascido em 1937, no antigo logradouro chamado Pedra da Marca, defronte à ladeira de São João na Avenida Cardeal da Silva, Everaldo Conceição Duarte cresceu vivendo as transformações ocorridas na paisagem social econômica e religiosa na comunidade chamada Bogum, desde os anos quarenta. Neto carnal de Maria Valentina, Mãe Runhó, sobrinho carnal de Maria Evangelista, Gamo Lokossi, ambas dirigentes dessa comunidade, cada uma a seu tempo, foi suspenso para Ogã Agbagigan em 1942 e confirmado, após ...
Leia mais